Cante Alentejano para celebrar o dia internacional da Língua Portuguesa

Este ano as celebrações do dia internacional da Língua Portuguesa em Ljubljana foram dedicados ao Cante Alentejano. Decorreram durante todo o dia, com início na aula de Português (nível avançado), seguindo-se ao final do dia com uma apresentação formal por Gabriela Droga Mazovec, uma palestra sobre o Cante no contexto da Língua Portuguesa, por Alcides Murtinheira (Instituto Camões em Viena), e da projeção do filme Alentejo, Alentejo. Este evento tem o objetivo de disseminar a Língua e Cultura Portuguesa na Eslovénia. A Revista Sardinha iniciou estas celebrações anuais em 2017, no contexto das aulas de Português, e este ano expande o seu alcance integrando também o ciclo anual de Cinema Português apoiado pela Embaixada de Portugal em Viena. As aulas de Português de frequência bimensal oferecem aos Eslovenos luso-falantes a oportunidade de praticar a Língua e aprofundar conhecimento. Nesta lição abordaram-se algumas das letras populares de canções alentejanas (como o “Eu ouvi um passarinho”) onde os alunos discutiram conteúdos e até praticaram o Cante. A cerimónia oficial só começou mais tarde, já no final do dia, com a apresentação formal das celebrações por




Gabriela Droga Mazovec (presidente da Associação de Amizade Luso-Eslovena), que nos brindou com poesia na nossa língua materna, Lusitânea de Sofia de Melo Breiner. Seguiu-se de uma palestra sobre o Cante Alentejano e a Língua Portuguesa por Alcides Murtinheira, responsável pelo Centro de Língua Portuguesa na Universidade de Viena, Áustria, e leitor de Português na Universidade Comenius de Bratislava, Eslováquia. No dia consagrado à Língua Portuguesa, 5 de maio, dedicou toda a atenção a esta forma popular de cantar a natureza, as relações humanas, o trabalho e a religião, que a UNESCO fez integrar (em 2014) na sua lista de Património Imaterial da Humanidade, onde também está o Fado e a expressão musical Croata Klape, bem conhecida da audiência Eslovena e com algumas parecenças até com o Cante. A celebração seguiu-se com a projeção do documentário Alentejo, Alentejo, do realizador Sérgio Trefaut, onde se procura traçar um breve panorama histórico deste género musical, um dos últimos exemplos dos chamados cantos de trabalho, neste momento vivendo uma fase de salvaguarda e rejuvenescimento.